O isolamento causado pelo coronavírus provavelmente afetará a todos, inclusive as crianças. Por isso, é extremamente importante ajudar os pequenos nesse período, para que eles passem por essa fase sem ter grandes impactos em seu desenvolvimento emocional.

 

O pediatra e pesquisador americano W. Thomas Boyce faz uma comparação em sua teoria e explica que existem crianças “dentes-de-leão” e “orquídeas”. As crianças chamadas de “dente-de-leão” são aquelas mais resistentes e capazes de lidar com momentos de estresse. Já as “orquídeas” são mais sensíveis e suscetíveis a serem influenciadas por ambientes ruins ou bons. Embora não exista um jeito certo ou errado de ser, o autor ressalta que as crianças orquídeas podem ser tornar mais reativas ao ambiente.

 

A EscoldInteligência, programa especializado em educação socioemocional idealizado por Augusto Cury, preparou quatro dicas essenciais para ajudar os pequenos a gerenciar bem as emoções nesse momento e não apenas reagir diante das circunstâncias. As dicas foram pensadas para ajudar as famílias a encarar questões emocionais que podem surgir e trabalhá-las de forma eficaz na gestão da ansiedade:

 

1 – Fale sobre o momento – Lembre sempre a criança de que você também notou a mudança no seu dia a dia e explique que, apesar de não poder ir para a escola ou estar perto dos amigos, por exemplo, ela está com a família, que a ama muito e também pode realizar brincadeiras e atividades que fazia com os colegas. Assim ela não se considerará sozinha.

 

2 – Se observe – Os filhos são esponjas dos pais, mesmo que algumas coisas não sejam ditas, eles sentem o que está acontecendo e absorvem. É importante observar a si mesmo e fazer uma autoavaliação para notar se o estresse está alto, se a ansiedade está tomando conta e voltar a gerenciar as emoções. Caso contrário, vai ser difícil pedir calma para os filhos, pois provavelmente eles também ficarão nervosos e ansiosos.

 

3 – Faça exercícios – Separe um período do dia e faça exercícios de respiração e alongamento com os pequenos. Isso vai ajudar a aliviar as tensões, oxigenar o cérebro e trazer uma sensação de tranquilidade e relaxamento, que ajudará bastante nesses dias.

 

4 – Explique a rotina – Todo mundo precisa de rotina, ela é importante e estratégica para diminuir a ansiedade. Quando sabemos o que precisamos fazer e os próximos passos, assumimos o controle emocional daquilo dentro de nós. Estabeleça uma rotina, mas que não seja tão engessada, mostre as prioridades e se ao longo do dia elas precisarem mudar, tudo bem. Para as crianças menores, faça isso de forma lúdica, com desenhos e fotos das principais coisas que acontecem diariamente, como hora do café, do almoço, do filme em família, da soneca, entre outras.

 

Ser um indivíduo “dente-de-leão”, respondendo de maneira inteligente aos desafios que esse momento nos impõe, pode não ser muito fácil. Mas, quando os pais têm esse olhar mais profundo para os filhos e para si, passam a ter condições de perceber que são capazes de enfrentar grandes desafios e ser modelo para seus filhos. “Como pais, precisamos ter consciência que é nosso papel ajudar nossos filhos a passarem por esse momento sem sequelas. Sabemos que cada um vai reagir de uma forma, mas como as crianças não têm muitos recursos emocionais para lidar com seus medos, angústias e tristezas, os responsáveis é que precisarão ter esse olhar atento aos sinais de comportamento para ajudar com rapidez, a fim de que eles se sintam acolhidos e compreendidos”, explica Camila Cury.