Quem já tem histórico de algum tipo de transtorno psiquiátrico como a depressão, neste período de pandemia do novo coronavírus, os níveis de irritabilidade, estresse e ansiedade podem se agravar muito, seja por causa do afastamento das atividades sociais ou em muitos casos, pela ausência física de familiares e amigos.

Para evitar que o confinamento intensifique as manifestações dessa tristeza profunda, impaciência e angustia, a psicóloga Célia Siqueira dá dicas para que haja um controle psicológico e comportamental, minimizando situações que possam ser gatilhos para eventuais crises.

“Para aqueles que utilizam medicamentos, o ideal é manter as consultas com o médico especialista em dia.  Mas, também é importante aderir as terapias mesmo à distância (online), para ajudar a aceitar os limites pessoais, facilitando o entendimento do transtorno depressivo e os conflitos internos”, diz Célia.

Segundo a psicóloga, o ideal é criar uma rotina diária, ocupar o tempo para não se prender em uma mente vazia, conversar com os amigos e familiares por meio das redes sociais, ler livros, se alimentar bem, praticar exercícios, arrumar o ambiente de trabalho, fazer cursos gratuitos online, doar o que não serve mais, aproveitar o tempo vago para planejar, assistir séries e filmes, etc.