As medidas anunciadas na última sexta-feira (22/01) pelo Governo reclassificam a cidade para a fase laranja do Plano SP, mas com restrições da vermelha em dias úteis (após as 20h) e integralmente aos finais de semana e feriados, a partir de hoje (25). Para a direção da ACMC – Associação Comercial de Mogi das Cruzes, o setor de comércio e serviços volta a ser atingido pela quarentena, com o respectivo comprometimento da retomada econômica.

Na prática, pelas regras anunciadas pelo Estado, de segunda a sexta-feira os estabelecimentos podem funcionar apenas oito horas por dia (duas a menos do que o atual), com limitação de atendimento até 20 horas e 40% da capacidade. Entre 20h00 e 06h00 a abertura está limitada somente para atividades essenciais e serviços de delivery. Os bares, em nenhum dia ou horário, podem ter atendimento presencial.

Nos finais de semana as regras da fase vermelha valem para o dia todo. Ou seja, nos dias 30 e 31 de janeiro e 6 e 7 de fevereiro só podem funcionar atividades essenciais, como farmácias, mercados, padarias, lojas de conveniência, bancas de jornal, postos de combustíveis, lavanderias e hotelaria. Demais comércios e serviços não essenciais só podem atender em esquema de retirada na porta, drive-thru e entregas por telefone ou aplicativos.

“É lamentável que passemos mais uma vez por restrições que vão comprometer o funcionamento dos comércios e serviços, com impactos nas vendas e, consequentemente, no emprego, principalmente em razão das proibições de abertura nos finais de semana”, avaliou o presidente da ACMC, Marco Zatsuga.  “As regras, no entanto, precisam ser seguidas e se faz necessário o esforço de todos para que seja uma situação temporária”, acrescentou.

A expectativa é de que o decreto municipal com as adequações das regras nessa nova classificação do Plano SP saia ainda neste sábado ou na segunda-feira, dia estipulado pelo Estado para o início dessa nova quarentena. A direção da ACMC está em contato permanente com o Comitê Gestor de Retomada Econômica da Prefeitura de Mogi para compartilhar as informações oficiais com os empresários.

“O comprometimento das vendas será inevitável, mas ainda será menor do que com a fase vermelha na totalidade. Portanto, nosso apelo é para que o comerciante reforce junto aos consumidores os protocolos de segurança e também utilize canais alternativos ao presencial para a continuidade dos negócios. Nossa preocupação é com a saúde, mas também precisamos de vendas para manter as empresas”, ressaltou Fádua Sleiman, vice-presidente da ACMC.

As medidas anunciadas pelo Governo do Estado valem até o dia 7 de fevereiro, não estando descartada a possibilidade de endurecimento das medidas nesse ínterim. Atualmente, Mogi das Cruzes registra cerca de 14.500 casos confirmados de coronavírus, com mais de 610 óbitos e uma taxa de ocupação de leitos de UTI de 70%.

24