A sexta amanhece gelada. Acendo a lareira e minha manhã só não rola mais agradável…rs…porque o sinal da Vivo em casa, para variar, está uma merda…rs… e como sempre faço quando isso ocorre me programo para sair da zona de conforto…rs… Antes, redijo os textos no World e depois os transfiro para o Caderno W quando chego à cidade, melhor ao La Verrie- hoje foi por volta das 11 horas, onde sempre sou  bem recebido pela Thais e Coi. Lá a Internet é ótima e em poucos minutos faço o que tenho que fazer que é  compartilhar o meu olhar sobre a sociedade, que passeia livre, leve e solto, com a maior satisfação, destacando os fatos mais relevantes. Esse é o diferencial. Os meus textos, modéstia a parte, tem personalidade, resultado do  amor pelo que faço. Não é à toa que o Caderno W se consagra como formador de opinião. E nessa nova fase vivo, sem dúvida, o melhor momento, o momento da colheita, que se revela generosa, oriunda, de um trabalho  realizado com honestidade e dedicação. Confesso, não é tarefa fácil, mas estou transpondo os obstáculos, um a um, e em questão de pouco tempo tudo se resolve, como diz minha amiga e advogada, Marinete Mendonça, que tem sido o meu anjo na travessia que faço nesse momento, ” fique calmo que tudo vai dar certo. Você tem prestigio e é trabalhador”…e nessa vibe tenho feito bons contatos e as portas se abrem naturalmente para um novo tempo. A ordem do dia é somar e tenho somado compondo uma equipe, com a participação da jornalista Maria Salas, que tem se revelado muito presente, que me auxilia no novo momento profissional que vivo que, volto a repetir, tem sido do mais puro aprendizado. Vivendo e aprendendo a viver, e de um modo cada vez mais consciente. Thank´s God.