Hoje pela manhã a amiga Manira meu ligou passava das 7 horas da manhã para me dar uma notícia triste. A herborista Maly Caran, que, aliás, foi capa do Caderno W, havia falecido em São José dos Campos, e que seria cremada ainda hoje. Conheci Maly logo que estreei como colunista social, em 1975, durante muitos anos frequentei a casa de Tire Caran, a quem sou muito agradecido pelos pratos de comida que me serviu tão gentilmente, uma grande culinarista. Sempre fui amigo de Maly e quando morou no Ribeirão Grande, em Pindamonhangaba, tive o prazer de ser seu hóspede, a recebi em casa em festas, divulguei com a maior satisfação o belo trabalho que realizou com ervas, a visitei inúmeras vezes em São Francisco Xavier, onde, com certeza, sua filha Tati irá manter a loja Maly Caran, enfim, Maly foi uma mulher notável. Viveu a vida e dela se despediu para a sua caminhada cósmica. Boa viagem. E até breve! À sua mãe, Tirene, aos irmãos, filhos, sobrinhos e netos os meus mais sinceros pêsames.