Estamos, sem dúvida, vivendo em tempos bem  bicudos. Ninguém, em sã consciência, pode dizer que a economia do país vai bem. Vai mal. Com o novo governo espero que melhore. Mas vai demorar. Não há mágica. Vamos ter que arrumar paciência.  Aliás, desde o ano passado sentimos no bolso os desmandos da política do governo Dilma e agora muito mais amargando uma espécie de ressaca com toda a reviravolta que ocorreu. As pessoas de uma maneira geral põem cada vez menos a mão no bolso, e quem tem dinheiro, fica com medo de gastar e precisar lá na frente, e economiza. O resultado é a queda perceptível do consumo em todos os segmentos, de lojas a cafés e restaurantes. E em momentos como esse não podemos desanimar. Muito pelo contrário, temos que enxugar, sermos criativos,  reinventar, e nos adaptarmos, feito camelão, ao momento presente, com a consciência de  que cada um fazendo  a sua parte, somando positividade, pensando coletivamente, uma hora a economia melhora. E voltamos a navegar em céu de brigadeiro. A esperança é a última que morre…rs… Eu me encontro nessa vibe, a da esperança, e a compartilho com o intuito de irradiar uma nova Luz na vida dos leitores. Desejo uma boa sexta a todos.