Acordo no domingo com a sensação de que o tempo realmente não passa, voa. Daqui a duas semanas estaremos celebrando o Natal e logo em seguida ocorre a chegada de 2017. Com a sensação de que o ano termina com muita merda no ventilador, politicamente falando. E, olha, o mais triste é que são poucos os que estão fora. As revelações dos delatores da Odebrecht deixam os brasileiros atônitos. Claro que no fundo já sabíamos das falcatruas reveladas pela Lava Jato até agora envolvendo graúdos, mas a delação da Odebrecht  vai mexer com as estruturas da política brasileira. É triste, muito triste esse “presente” de final de ano que o Brasil ganha. E esse clima de decepção acaba atingindo a todos e percebo, gera um certo desânimo nas pessoas. Não temos motivos para grandes comemorações. Mas a vida continua, estar bem informado é preciso, mas ao mesmo tempo é relevante aprender a se desligar desse noticiário purulento, ouvindo uma boa música, como faço agora ao redigir esse texto, para não ficar estressado…rs…E me envolvo com o trabalho. Esta minha semana promete rolar bem movimentada nesse sentido. Tenho a edição do Olhar de Willy Damasceno para o Oi Diário, que circula na quinta-feira, e finalizamos, Maria Salas e eu, a edição de Natal do Caderno W.  Com foco e determinação. Um bom domingo a todos.