Ontem à noite estive no Colégio Raízes, da Vila Rubens, para acompanhar o início da campanha que Sílvia e Cesar preparam para ser lançada no dia 17 de outubro tendo em vista as matrículas para 2017. Na véspera do feriado, em 11 de outubro, agitaram a unidade da Serra do Itapeti. E fazem um trabalho que conta com  divulgação no Caderno W, o que me deixa, é claro, sensibilizado com o reconhecimento. Eu vi o Raízes nascer e se consolidar como boa opção de ensino, com identidade própria, lapidada ao longo dos anos. Educação é um trabalho de laboratório. E a minha quinta à noite foi encerrada com a festa que o Colégio Tomás Agostinho realizou no La Vince para comemorar os seus 25 anos. Fiz questão de cumprimentar o Pitty Siqueira e a Elaine pelo empenho em oferecer um bom ensino, agora com o aval do  Sistema Poliedro. Uma noite agradável. E, como não poderia deixar de ser, acordo smart com a agenda cheia nesta sexta-feira. Trabalho é o que não falta. E dele, volto a repetir, não tenho medo. Tomo um café com o amigo Tunico Andari, pela manhã, à tarde estico até Suzano, mais precisamente até a Focoh, para um café com Amanda Romanos, e aproveito a oportunidade para conversar com a Cássia sobre a criação do convite da festa do dia 25 de novembro no La Vince, que vai homenagear as mulheres, que, aliás, já desfilam no Caderno W e geram efervescência social. Não preciso dizer que resolvi sair da zona de conforto e vir para o La Verrie, trabalhar, onde, aliás, me sinto em casa.