queda-de-cabelos

Mais de 90% deles estão crescendo. Essa fase, denominada anagênica, é acompanhada por outro ciclo, catagênico, que dura duas semanas. Segue-se a fase telogênica, de repouso, cuja duração é de três meses: o cabelo então cai naturalmente e, por isso, é comum perder até 100 fios ao dia. Quando a queda é abundante, ela sempre é notada, por causa de seu acúmulo nas roupas, no pente ou na escova. Várias condições médicas se manifestam por meio desse sintoma, e, percebida alguma mudança significativa, o médico indicado para avaliar o problema é o dermatologista.

1. Deficiência nutricional: a falta de determinados nutrientes gera consequências no organismo, o que afeta a estrutura capilar. Metais específicos como zinco, ferro e cobre, por exemplo, se relacionam às quedas.

CA2. Alterações hormonais: disfunções ligadas ao funcionamento da glândula tireoide ou aos hormônios sexuais alteram o crescimento natural do cabelo. Aqui, a recomendação é tratar a doença-base.

3. Genética: fios finos e de crescimento demorado podem ser reflexo de uma predisposição genética específica.

4. Oleosidade excessiva: é natural que o couro cabeludo produza óleo, e ele é necessário para a saúde dos cabelos, mas o excesso pode causar inflamação no couro cabeludo e, com isso, quedas.

5. Procedimentos químicos: seja tintura, seja alisamento, qualquer intervenção pode danificar a estrutura capilar e provocar queda e quebra dos fios.