Feijoada-21

Vem aí mais uma edição da “Feijoada do Willy”. E, claro, o prato principal – a estrela da tarde – é a suculenta feijoada.

mestre Alfredo Palência é quem vai preparar essa iguaria de dar água na boca.

Mas você sabe como surgiu a feijoada?

Bom, a verdade é que são muitas as histórias. Uns dizem que, nos tempos coloniais, os escravos criaram o prato aproveitando as sobras de comida da casa-grande, que incluíam partes descartadas do porco, como pés, orelhas e rabo. Mas, de acordo com Paula Pinto e Silva, autora do livro Farinha, Feijão e Carne-Seca – Um Tripé Culinário no Brasil Colônia, naquele tempo, essas partes do animal nem eram consideradas menos nobres. “Cabeças, rabos e patas eram disputados como iguarias, até porque a carne não era alimento comum nem na mesa dos senhores”.

Bem mais provável é que a feijoada seja uma adaptação local do cozido português – na Europa da época, surgiram outros pratos juntando carnes variadas e feijão (só que branco), como também é o caso do cassoulet, originário da França.

Os acompanhamentos da feijoada servidos hoje – arroz branco, farofa, couve refogada e laranja – só foram incorporados muito mais tarde, provavelmente no século 19.