Confesso, tenho evoluído feliz, pessoal e profissionalmente, aprendendo sempre, me reinventando para permanecer no mercado editorial afinado ao que há de mais moderno que é a mídia digital. Com o ótimo suporte de Felipe Martins da Dotstore/Boigy. Iniciei no colunismo social no papel, que ainda gosto, tanto que mantenho o Caderno W impresso, mensalmente. Em outubro de 1996 comemorei com amigos em Nova York os meus 21 anos de colunismo social, está registrado no livro W Crônica de um tempo, e lembro como se fosse hoje, entrei com a amiga, Fádua Sleiman, em uma loja no Time Square e comprei o meu primeiro laptop, um Sony Hitachi, e comecei a pensar numa homepage e quando chegou 2000, na Feijoada do Willy, eu lancei o site willyvirtual, que em 2007 se transformou no Caderno W. Venho plantando um trabalho que se renova porque aproveito as oportunidades que surgem. De cabeça eu não saberia enumerar todas as minhas experiências na área, a maior parte delas, sem dúvida, positivas. E parto para mais um desafio, rechear 4 páginas da Revista Leve com notícias positivas de uma sociedade que observo e da qual extraio sempre o melhor. O Caderno W marca presença na revista com a certeza de que somar talentos gera bons resultados. Nesta terça, pela manhã, fui tomar café com o José Colmeal, Wilson Bego e Maria Máximo, a editora da Leve, é uma graça, para acertarmos detalhes de nossa parceria e Daniel Silvério fez o registro. Wilson Bego é um amigo de long time. Trabalhei com ele no Mogi News e o nosso relacionamento sempre foi pautado pelo respeito e bem querer. Wilson assumiu a direção comercial da Revista Leve e lembrou-se do amigo aqui e foi um prazer saber que estamos novamente juntos em outra empreitada, que vamos, é claro, tirar de letra. Não é à toa que nos reencontramos.  Melhor, vamos somar em boas energias. Acertamos que a edição abril/maio da Leve será lançada na Feijoada do Willy 2018, iniciando um novo momento em sua trajetória. Renovada e com o foco  no que há de mais relevante em Mogi das Cruzes.