A festa dos meus 68 anos passou e, naturalmente, vem,  à minha mente, que rolou, como gosto de dizer, sobre carretéis, fluiu, gostosa, deliciosa como muitos amigos observam em seus comentários pelas Redes Sociais. Como anfitrião, confesso, estava tranquilo, em paz, me deixando envolver pela energia positiva que os amigos que compareceram a comemoração me externaram,  foram devidamente registrados por Marcos Vieira, revelaram a joie de vivre que os move, já compartilhei os seus registros, comprovando a realização de um evento, bonito, chic, o lugar onde foi realizado, o restaurante do Paradise Golf, fez a diferença, com certeza, e a noite com temperatura agradável, com lua no céu, colaborou para que eu me sentisse a vontade, realmente feliz, desfrutando momentos de rara satisfação que  me permito agora recordar. E se tudo ocorreu na pauta do devido, foi porque contei, mais uma vez, com a colaboração efetiva de Messias Venturine, ao qual passei o que eu queria para a noite do dia 21 de junho e aproveito a oportunidade para elogia-lo como profissional. Foi o maestro de uma orquestra, que funcionou comme il faut, reuniu ótimos profissionais, aos quais, a partir de agora faço os devidos agradecimentos, permitindo aos amigos se encontrarem, se confraternizarem, gerando momentos diferenciados, que estão inseridos no rol das melhores lembranças. E inicio com um sonoro merci, obrigado em francês,  ao Messias, que foi a quem comuniquei a realização da festa e juntos a materializamos em grande estilo. A partir de agora inicio o meu desfile no Caderno W ao lado dos profissionais que ele arregimentou, com legendas especiais, exclusivas, e, em primeira mão, anuncio, já estão de antemão requisitados para a noite que estou  imaginando para o dia 23 de novembro, no salão do Clube de Campo para eu celebrar, como manda o figurino, os meus profícuos 43 anos de colunismo social e o lançamento do projeto do meu livro de Memórias. A experiência foi boa. Somamos como equipe e o resultado, positivo. O sentimento de gratidão aflora, como tem que ser, e gera um bem estar indescritível.  Com a consciência de que o Universo conspirou a favor. Os amigos que apareceram para os cumpris eram o que tinham que estar comigo na noite.  Valeu. Parabéns, Messias.