PENSANDO NA VIDA

E fevereiro está terminando. Março se aproxima, e no final dele, completa um ano que a pandemia teve inicio e mudou as nossas vidas para sempre. Os que buscam o autoconhecimento, sem dúvida, ficaram melhores, e os que são negativos, amargos,  ficaram piores.  C´est la vie, diria o francês.

A quinta-feira amanhece chuvosa na Shalom, o sol até tenta aparecer, e lembro da frase que ouvia quando era criança, “chuva e sol casamento de espanhol”…rs….e rola um dia mais fresco, o calor dos últimos dias estava insuportável.

Como tenho feito nos últimos dias, vejo pouco os noticiários para não ficar estressado. Os assuntos são sempre os mesmos, Covid e  vacina, que eu torço para que chegue o mais rápido possivel a um maior número de pessoas. Começo, finalmente, a escrever o meu livro de Memórias com planos de lança-lo em 2022. E volto a passear os olhos pelo meu implacável arquivo fotográfico a procura das melhores lembranças.

Nesse momento em que vivemos, onde festas são proibidas, confesso, como colunista já estou com saudade das que realizava três vezes por ano, a Feijoada do Willy, o meu aniversário e a comemoração de aniversário de colunismo, este ano completando os 46 anos, o melhor mesmo é recordar os bons momentos vividos em sociedade, da qual me considero o cronista mor.

 

RECORDAR É VIVER

Amigos queridos: o pintor Franklin Guanabarino e Cidinha Pires, numa das visitas que fizemos ao restaurante Vernissage, em Penedo. Bons tempos.

 

OLD FRIENDS

Sabrina e Sonia Crissiuma de Figueiredo, numa de minhas festas, no salão do Clube de Campo. Há algumas semanas estive com elas na Vila Paradiso, na praia de Cambury, onde Sonia e Eduardo tem a pousadas, uma delas, de frente para o mar, e revi a Sabrina, o marido Jordi e filhos, que vieram passar férias com a família para matar a saudade.

 

SAUDADE

Confesso, sinto saudade de minha mãe Herbene, em outubro próximo vai fazer 11 anos que ela foi embora, na foto, comigo e com minha irmã, Cleia, na casa onde morei quase 10 anos na Vila da Prata. São momentos como esse que valem a pena ser recordados. Aguenta coração.

 

UM MENINO

Olha o meu dentista, Beto Pires, menino. Amigo de sua família, o vi crescer, estudar, se formar e se tornar um dos melhores dentistas de Mogi das Cruzes, especialista em implantes.

 

FINAL DOS ANOS 70

Jussara Borba sempre foi bonita e fashion. Esta foto a revela, faceira, com modelito evidenciando a calça com boca de sino. Livre, leve e solta. Acho que é do final dos Anos 70.

 

NEW YORK

Em  1996 celebrei os meus 21 anos de colunismo social com festa black-tie no salão do Clube Náutico, em agosto, e  depois em New York, em outubro, com jantar no restaurante The View. Comigo, no brinde, Vera Nice, Nidia, Helena e Eliana. Inesquecível.

 

 

54