A pandemia do novo coronavírus (Covid-19) forjou um novo ritmo às comemorações e intensificou ainda mais o sentimento de saudade nos últimos tempos. Eu sempre digo que isolamento social jamais pode ser confundido com isolamento emocional. E, sim, as nossas emoções estão muito mais à flor da pele.

 

Acredito que nunca tenha sido tão necessário reforçar laços de afeto. É aí que entram os sentimentos como o respeito, a admiração, o carinho e o amor, que ficaram muito mais potencializados nos últimos meses. O fato de estarmos longe das pessoas que convivíamos diariamente, e que gostamos muito, mexe muito com tudo isso.

 

Por que estou escrevendo isso?? Porque recebi a grata missão de passar aos leitores do Caderno W como rolou a festa em comemoração aos 71 anos de Willy Damasceno, realizada na noite desta quinta-feira (8), no Mirante do Paraíba, em Guararema. Que missão, afinal, estão todos querendo saber como foi este primeiro evento, pós-pandemia, de Willy Damasceno.

 

 

E essa introdução expressa bem onde quero chegar!! Expressa uma nova forma de se relacionar, com mais intensidade e certa pressa de se viver. Não podemos deixar a vida passar em brancas nuvens, e foi exatamente isso o que o Willy fez ao ter a feliz ideia de celebrar, sim, mais um ano de vida, depois de ter ficado o ano passado sem festejar com os amigos, quando ocorreu uma festa virtual.

 

 

Com o aval de Valdir Stilhano e o apoio incondicional de Daniel Silvério, ele pensou em tudo, em cada detalhe para reunir os amigos, ‘os mais chegados’, seguindo todos os cuidados que a pandemia pede e que já é rotina na vida das pessoas.

 

 

A noite fria, típica do inverno e intensificada pela localização do restaurante, às margens do Rio Paraíba do Sul, ficou aquecida pelo calor dos convidados, que estavam, visivelmente, felizes. Era nítido que todos queriam estar ali, se confraternizando. A felicidade estava estampada em cada um, perceptível  em cada cumprimento. E se o beijo e o abraço apertado saíram de cena, entraram em ação o ‘soquinho’ ou o “namastê”, e, apesar de o sorriso ainda estar escondido, por causa da máscara, ou tímido, mesmo que à distância, o olhar fala muito.

 

Daniel Silvério e Willy Damasceno

O fato de comemorar não quer dizer que a pandemia passou ou que todos os problemas que ela vem acarretando, desde o ano passado, tenham sido solucionados. Muito pelo contrário, todos estão bem cientes de seus atos. A questão é que a maioria das pessoas já sabe como viver, conviver e driblar a situação com as medidas de proteção. As pessoas estão conscientes, e é essa consciência que cria novos hábitos de viver e conviver e sociedade.

 

O espaço onde ocorreu o jantar, arejado e amplo, foi pensado estrategicamente para acomodar os 90 convidados, que, ao chegar eram recebidos pelo aniversariante, radiante e menos ansioso, por estar com os amigos, que, ao chegarem ao local, eram encaminhados para tirar a tradicional foto, com o competente fotógrafo Marcos Vieira, também feliz por estar de volta aos cliques num evento social. Após, o registro, os amigos seguiam para as suas mesas, onde ficaram mais à vontade para tirar a máscara. Poucos foram os que se sentiram à vontade para circular, seguindo todos os cuidados, claro.

 

Sem muita decoração, afinal, por si só o local já é lindo, o espaço, aos poucos, foi ganhando a presença física das pessoas. Mesas amplas (com oito cadeiras), as taças de bebidas davam o tom da decoração delas, onde não faltou álcool em gel. E os pratos servidos? Um mais saboroso do que o outro, desde a entrada até à sobremesa e o bolo do aniversariante. Tudo se encaixava, tudo se encaixou! A comida, muito bem servida, estava no ponto, na medida certa preparada pela brilhante equipe do chef Valdir, que, aposto, deve ter alinhado com eles para que tudo saísse perfeito. E o que falar da equipe de garçons? Atenciosos e simpáticos, todos estavam radiantes pelo prazer de servir bem!

 

O pianista Diego Novaes

O som do pianista Diego Novaes, algo bem intimista, se encarregou de embalar todo esse clima de amizade e amor, que pairou no ar! Aliás, somo ambiente de verdade, porque as conversas rolavam agradáveis sem ruídos a mais.

 

Foi uma noite memorável. E nesse formato, pensado com todo cuidado, a comemoração se torna menos desafiadora. A pandemia nos trouxe a percepção de valorizar muito mais as pessoas que amamos e estar com elas, celebrando a vida, é essencial para seguir vivendo e acreditando em dias melhores. Agora ficam as boas lembranças e aquele gostinho especial de “quero mais”, “queremos mais”! Já sabemos que é possível celebrar, seguindo todos os protocolos sanitários e as medidas devem necessárias para garantir a saúde de todos os presentes.

 

Não é porque estamos vivendo um período de pandemia que os sonhos precisam ser adiados. O importante é ter responsabilidade e amor.

 

Parabéns, Willy Damasceno!!!!

 

Confira as fotos de Marcos Vieira, o Marcão:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

63