Acordo nesta terça disposto a continuar trabalhando, consolidando o jornal Caderno W, que, no próximo fim de semana, circula novamente impresso, porque digitalmente se renova diariamente, sob o meu atento olhar. E continuo, às quintas, colaborando com o Oi Diário, assinando a coluna, O Olhar de Willy Damasceno. Como pode-se perceber, trabalho é o que não falta. E faço dele a minha melhor terapia. Quando fazemos o que gostamos, o envolvimento é natural, e, no meu caso, o leitor percebe isso porque busco pautas diferenciadas para que se envolva emocionalmente com elas. Na semana passada, a Ana Lúcia Marcato me entregou o convite da festa de aniversário de uma amiga muito querida, que nos últimos anos encontro muito pouco, mas sei que está bem e tão bem que vai comemorar com os filhos, genros, noras, netos, bisnetos e amigos os seus 90 anos. Hebe Brasil Marcato é a minha homenageada de hoje. E, como tinha que ser, passeei os olhos pelo arquivo fotográfico até encontrar este registro, onde aparece ao lado do saudoso Nilo, o seu grande companheiro. Tão grande, que nunca mais se casou e viveu só para a família. Quando iniciei no colunismo social, tive a satisfação de conhecer Hebe e Nilo, que me receberam inúmeras  vezes em sua casa com o maior carinho. Tenho boas lembranças daquela época. E é com a maior satisfação que vou aparecer na Casa da Árvore, no dia  11 de setembro, para dar um abraço e um beijo nessa admirável figura de mulher. Parabéns, Hebe!

hebe e nilo