Felipe Almeida, de 30 anos, é publicitário e gestor de Marcas. Casado com Jacky Seixas, é pai de Cecília Seixas de Almeida, a Cissa. Confira a seguir os planos desse jovem mogiano, que vai além do básico e quer fazer diferença no mercado.

Na agência

Caderno W: Felipe, quando e onde se formou?

Felipe Almeida: Sou formado em Comunicação Social – Publicidade e Propaganda pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC), além de uma MBA em Branding Innovation pela Rio Branco.

Caderno W: Como é a sua rotina profissional na Agência macrobrasil.com?

Felipe Almeida: Quando se trabalha em uma agência pequena, se faz de tudo um pouco, mas, particularmente, eu me identifico bastante com duas áreas: Atendimento e Planejamento. A minha função na agência é atender os clientes e coordenar as demandas ao lado do pessoal, que atua na criação, planejamento, mídia, produção etc. A minha rotina é dura, como de qualquer empresário que deseja ir além do básico e fazer diferença no mercado. Estamos inseridos em diversos processos locais e nacionais, por isso a rotina é puxada, mas é bacana.

Foto da Turma de MBA - Branding Innovation Rio Branco
Foto da Turma de MBA – Branding Innovation Rio Branco

Caderno W: Sempre pensou atuar na área?

Felipe Almeida: Não. Eu confesso que “caí de paraquedas” na área da Comunicação há alguns anos, mas depois de atuar em algumas empresas da Capital e estudar bastante, não me vejo fazendo outra coisa. A cada novo trabalho, ou melhor, a cada novo resultado, eu tenho a certeza de estar fazendo o que realmente nasci para fazer e que estou no lugar e caminho certos.

Caderno W: Como surgiu a Agência macrobrasil.com

Felipe Almeida: A #macro é uma agência completa, e o nosso foco não é oferecer apenas processos de Gestão de Marcas, Marketing e/ou Comunicação. A nossa maior missão é oferecer inovação em cada novo trabalho. Não temos um barista, massagista ou terapeuta para atender os funcionários, mas temos processos humanos, onde as pessoas se sentem à vontade para trabalhar, criar, ousar, propor. Em nosso ambiente, ainda não temos uma mesa de bilhar ou videogame, mas já dispomos de alguns pontos que nos fazem muito diferentes das demais agências presentes no mercado local: ousadia para inovar e ir além; determinação para criar algo que, geralmente, as outras não estariam dispostas; e o ponto mais importante: ser próxima o bastante para agir antes do previsto e conferir pioneirismo aos processos, trabalhos e resultados. Eu sempre digo que não somos uma agência grande e que esse não é nosso objetivo. O nosso maior sonho é ser uma grande agência, o que é bem diferente de ser grande.

Caderno W: Como avalia o mercado? O que pode melhorar?

Felipe Almeida: Não atuamos em apenas um setor e/ou segmento e isso facilita, e muito, nosso ganho de mercado e publicação de novos trabalhos. Em cada trabalho, pensamos em como podemos ir além e gerar mais resultados. Eu me lembro do recente caso da Cronoserv, que gostaria de apenas publicar um anúncio para informar os seus 10 anos. Criamos uma estrutura diferenciada e um processo de relacionamento com toda a base de clientes da empresa. Se a empresa gastou mais do que o previsto? Muito pouco! Trabalhamos com parceiros, ativamos pessoas para ajudar e criamos processos sustentáveis. O resultado? Contato com clientes inativos, novos processos para orçamento, mais “parabéns”, além de uma direção de arte apurada, que dividiu a cena com um anúncio da Marca Diadora. O mercado precisa de mais empresas, ou prestadores de serviços, que queiram fazer a diferença. Uma agência pode fazer muita diferença e nossa missão é fazer com que essa diferença seja a maior possível.

Felipe Almeida e Rinaldo Camargo, da FERRI
Felipe Almeida e Rinaldo Camargo, da FERRI

Caderno W: O que é mais complicado nos dias de hoje?

Felipe Almeida: Atualmente, fala-se muito sobre a crise e da instabilidade que o País atravessa. Talvez esse seja o assunto mais latente e que prejudique diretamente a nossa atuação. Convencer o cliente a inovar em alguma coisa e/ou investir em algo novo, ficou ainda mais complicado. Contudo, acredito que ainda tenha um vasto espaço para avançarmos e que essa fase seja um grande mecanismo seletor, tanto para os clientes, quanto para nós, agências. É tempo de se reinventar e, de fato, temos feito isso. Trabalhamos com verbas cada vez menores e desafios cada vez maiores e isso, pelo menos para nossa agência, é algo fantástico. Todos os dias crescemos um pouco e aprendemos algo novo. O fato é que não observamos apenas um prisma e isso nos faz diferente. Me lembro de um anúncio que fizemos para a FERRI, onde dissemos em alto e bom tom que se o panificador quisesse ter um produto de qualidade, suporte técnico presente em todo território nacional etc., ele deveria escolher a marca. Contudo, se quisesse apenas beleza, que poderia ficar com os azulejos português. Estávamos combatendo a penetração da Ramalhos em nosso quintal e apenas um anúncio gerou um resultado sem precedentes para o cliente.

Caderno W: Como você trabalha a marca do seu cliente?

Felipe Almeida: O nosso maior segredo é a proximidade que mantemos com o cliente. Quando somos contratados por uma empresa, passamos a fazer parte dela. Não apenas nas questões de Marketing e Comunicação, mas da empresa de uma forma geral. Costumamos conhecer o cliente muito bem e vamos a fundo para entender do mercado, negócio, diferenciais, produtos, enfim, tudo o que estiver envolvido com a marca, produtos, serviços etc., oferecidos pela empresa. A #macro é uma agência muito pró-ativa e isso ajuda demais nos processos de inovação. Enquanto as agências tradicionais aguardam o trabalho aparecer e/ou sequer acompanham o cliente em um evento, fazemos parte de tudo: do começo, ao fim.

Caderno W: Quantas pessoas trabalham contigo, como é feita essa divisão?

Felipe Almeida: A #macro é pequena e atualmente somos em cinco. O nosso trabalho é colaborativo e, muito embora cada um tenha sua real função e vocação, todos colaboramos para que os projetos superem expectativas, seja por causa da criatividade, economia ou resultados. Em alguns projetos, agregamos mais pessoas e a agência cresce um pouco em número, contudo, o nosso real objetivo é manter a qualidade e as expectativas de cada cliente lá em cima!

Caderno W: Quem são os seus principais clientes?

Felipe Almeida: Atualmente, estamos focados no setor de médias e grandes indústrias do setor de food service. Desde 2012, atuamos com a FERRI e, por meio do trabalho e resultados alcançados em conjunto com esse cliente, já conquistamos bons trabalhos e importantes clientes do setor, como é o caso da ANCONNA, CIMAPI, RYCO Alimentos entre outras. Para esse ano, estamos planejando algumas novidades, mas, claro, isso ainda é segredo (risos).

Caderno W: O que você planeja para este ano? É um ano desafiador mesmo, porquê?

Felipe Almeida: Quem me conhece, sabe que sou muito “pé no chão”. Temos nos especializado em alguns pontos, investido em outros, mas tudo de forma muito consciente e com foco total não apenas no crescimento da agência, mas na consolidação da nossa marca. Por aqui, a gestão não é feita apenas para os clientes. A #macro é também cliente da agência e temos trabalhado com muita dedicação para fazê-la crescer de forma sustentável.

Felipe Almeida com Sangia Souza, da UMDI; a sua esposa, Jacky Seixas; e Henrique Carvalho, da TV Diário
Felipe Almeida com Sangia Souza, da UMDI; a sua esposa, Jacky Seixas; e Henrique Carvalho, da TV Diário

Caderno W: Como convencer um cliente que ele precisa, sim, investir em publicidade?

Felipe Almeida: Atualmente, essa não tem sido nossa preocupação. O mercado e a realidade da economia têm funcionado como um verdadeiro funil seletor. Quem não investe na gestão da marca, em comunicação e melhorias em seus produtos e serviços, de fato, está fadado a estacionar e, por consequência, perder mercado, dinheiro e até mesmo quebrar. Os empresários estão mais conscientes, muito embora ainda sejamos encarados como custo por muitos administradores. Os tempos são outros, os consumidores ganharam força e voz frente às marcas. Realmente, as coisas mudaram e os empresários precisam entender que, mesmo em mercados provincianos como o nosso, se relacionar, mostrar e fazer diferença na vida das pessoas é algo necessário, aliás, crucial para a sobrevivência das empresas.

Caderno W: Já conquistou prêmios, quais?

Felipe Almeida: Ao longo desses anos, conquistamos alguns prêmios nacionais, como é o caso do “Maiores e Melhores da Panificação Brasileira” e outros regionais, como o “Prêmio Recall”, com os Cases “Farinha” e “Baguete”, ambos para o cliente FERRI. No primeiro, adicionamos farinha em uma página para comemorar o dia do panificador, enquanto no segundo transformamos uma revista em pão. Os dois cases podem ser conferidos no site da agência  (macrobrasil.com)

Caderno W: Como se mantém atualizado?

Felipe Almeida: Como em qualquer área, se manter atualizado é crucial. Todos estamos em constante reciclagem. Estudos diários, cursos de extensão, discussão de casos, palestras etc., fazem parte do nosso dia a dia e é assim que nos mantemos afiados com o que há de mais moderno no mercado.

Caderno W: O que faz nas horas de folga?

Felipe Almeida: Esses momentos são raros, mas, quando acontecem, gosto de escrever, curtir a família, jogar uma sinuca com meu pai no sítio. Sinceramente? Fazer coisas normais (risos).

Caderno W: A sua família é… 

Felipe Almeida: O meu alicerce.