Maria Salas

Fazer parte da realização de um projeto especial de alguém que gostamos muito é abraçar uma missão! E coube a mim corresponder a todas as expectativas criadas por Willy Damasceno em relação ao novo Caderno W, como dissemos: ‘na melhor versão, a online’.

Não é de hoje que ele fala em ‘deixar o papel e passar para o digital’. Neste caso, deixar o papel seria investir fortemente nas plataformas digitais e encerrar a edição impressa. E este dia chegou, de uma maneira um pouco forçada, é verdade, mas chegou.

A pandemia do novo coronavírus (Covid-19), que provocou o isolamento social desde o dia 23 de março, para evitar a propagação da doença, foi a mola propulsora. Pela primeira vez em 13 anos – quando o jornal foi lançado -, o Caderno W não irá circular em edição impressa nesta terça-feira (31 de março). Embora ele tenha sido feito como se fosse para ser folheado – foi diagramado e planejado com o mesmo carinho de sempre –, não será impresso em papel jornal.

A partir de agora, ele virá totalmente em formato digital e poderá ser degustado na palma da mão, no portal www.cadernow.com.br, algo que sempre foi feito, desde que o impresso foi lançado em 2007.

E a ansiedade para produzir todo este material? Aliás, Willy e eu somos bem ansiosos, rsrrss… São 24 páginas (sim, 24!), e, sim, a ansiedade bateu, claro! Tivemos poucos dias para trabalhar e colher todas as informações necessárias para fazer conteúdo de qualidade, marca do Caderno W.

Tudo foi feito de maneira remota, desde a entrevista com o prefeito Marcus Melo (e-mail) passando pelas conversas com os parceiros para a produção de notas (WhatsApp – mensagens e áudios) e o recebimento de informações (messenger – Facebook e direct – Instagram) até a aprovação final do jornal (WhatsApp). E, claro, que tudo isso não seria possível sem a equipe fantástica que faz o Caderno W: Marcinha na diagramação, Valdane Jr., na parte de anúncios, Daniel Silvério na logística e Willy Damasceno coordenando tudo e me deixando doida (risos, muitos risos), tamanha era a ansiedade dele, o que só aumentava a minha responsabilidade. A dona Edna Zampa não esteve conosco nesta edição, mas acredito que na próxima ela estará presente!

Os nossos últimos dias foram bem intensos. Cada um na sua casa, com Internet boa, notebook e celular sincronizados, mas na mesma sintonia, a de levar informação com qualidade e diferenciada para o leitor do Caderno W, a quem aproveito para agradecer por ser tão fiel. Deixo o meu agradecimento, também, aos parceiros que me atendem a qualquer hora do dia, independentemente do dia, para me passar as informações que serão transformadas em notas, matérias, reportagens…

Bom, e claro, agradeço ao meu amigo Willy Damasceno, que sonha e que me leva junto em seus projetos. Obrigada por confiar a mim os seus sonhos. E não é de hoje, né Willy? A nossa história começou anos atrás, mais especificamente no final de 2002, época em que ele assumiu o posto de colunista social no jornal Mogi News, onde trabalhamos por quatro anos e eu exerci a missão de ser a assessora dele. De lá para cá, fomos construindo uma amizade sólida, tanto é que ele é meu padrinho de casamento. No campo profissional, houve uma pausa de alguns anos, até voltarmos a nos reencontrar em 2016, quando ele me convidou para trabalhar no Caderno W e época em que tive a oportunidade de conhecer Daniel Silvério, que é a melhor pessoa que poderia ter aparecido na vida do Willy. E é isso, queridos leitores…

Portanto, você que está acostumado a ler o jornal impresso, poderá fazê-lo por meio da Internet, no portal www.cadernow.com.br.

Ah, só um adendo… O Willy, que adora surpreender o leitor, já me adiantou que o jornal Caderno W poderá ser impresso em datas comemorativas. Então, fiquem de olho no Caderno W. Tenham todos uma boa leitura!!!