7 doenças dentro 1801

Verão, a época mais quente do ano, é também o período em que as pessoas estão mais propícias a algumas doenças. Entre as mais frequentes, estão:

Insolação: a primeira e uma das mais comuns doenças de verão. As pessoas estão cansadas e estressadas, depois de um ano de trabalho, e querem logo se esticar na praia, piscina ou chácara e entregar o corpo a todo calor que o sol tem para oferecer. Esta longa exposição pode causar desidratação e queimaduras, além de sintomas como dor de cabeça, náuseas, tontura e temperatura elevada do corpo. Evitar não é tão difícil. Basta não tomar sol entre as 10 e 15 horas e sempre usar filtro solar.

Micoses: no verão, transpiramos muito mais que nas outras estações e, consequentemente, temos um contato maior com a água. A pele úmida é um hotel cinco estrelas para microorganismos que normalmente são adquiridos em diversos locais como piscinas e praias. A doença inicia-se com irritação e coceira que causam vermelhidão no local; geralmente nas virilhas, pés e unhas. Ao perceber a micose, procure (imediatamente) um clinico geral ou dermatologista, pois esta é uma doença facilmente confundida com outras. A automedicação nunca é aconselhada.

Desidratação: entende-se por desidratação uma grande perda de líquidos e sais minerais do corpo. Uma pessoa perde, em média, 2,5 l de água por dia, seja por suor, urina ou fezes. Com o alto calor do verão, estas eliminações são potencializadas e outras formas de evasão da água são criadas, como o vômito. Quando desidratado, o ser humano apresenta sede, fica com a boca e olhos ressecados e não urina regularmente. A saída é o repouso em lugares arejados e a ingestão de líquidos, constantemente, para que se mantenha hidratado.

Otite: as tubas auditivas também sofrem com o calor. No verão, as pessoas costumam entrar frequentemente no mar ou em piscinas. Algumas delas, porém, ficam com o ouvido entupido de água, o que pode predispor a inflamação e infecção nas orelhas (otite). Por ser quente, escura e úmida, a orelha se inflama com facilidade.

Conjuntivite: quem contrai a doença fica com os olhos avermelhados e lacrimejantes (além de provocar uma sensação estranha que os faz coçar muito). É uma doença comum do verão, pois normalmente é adquirida em piscinas não tratadas devidamente e praias impróprias para o banho. A conjuntivite é de facílima transmissão, por meio do contato manual.

Intoxicação alimentar: durante as férias, principalmente as de verão, as pessoas estão acostumadas a comer em clubes, barraquinhas de praia e em outros lugares que não possuem o melhor da higiene no preparo e conservação dos alimentos. Os frutos do mar são os principais responsáveis pela intoxicação alimentar. Podem ser simples e curadas em apenas um dia com re-hidratação, mas também gravíssimas ao ponto da fatalidade quando existirem complicações associadas, podem durar até sete dias.

Brotoejas: brotoejas ou miliárias são as chamadas bolinhas de água que causam vermelhidão e coceira no rosto, pescoço, ombro, barriga ou peito (em crianças e adultos). Elas estão diretamente relacionadas com a atuação das glândulas sudoríparas, que são muito exigidas durante o verão por causa do excessivo calor e transpiração. A prevenção consta em evitar ambientes e banhos muito quentes.

Com Nei Marinho, diretor geral do Hospital San Paolo