rato dentro 1309

Ratos deram o que falar nas redes sociais, nos últimos dias. O auge das discussões ocorreu após a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) suspender a venda de um lote de catchup de uma marca famosa, em que foram encontrados pêlos de roedores. Pouco tempo antes, vídeos com ratos circulando pelo salão de uma tradicional churrascaria e pela praça de alimentação de um sofisticado shopping de São Paulo também causaram furor no Facebook e no Twitter.

“É natural que fatos como este tenham grande repercussão. Os ratos formam uma rede global e subterrânea de transmissão de doenças”, lembra o biomédico Roberto Martins Figueiredo, conhecido como Dr. Bactéria. Apoiando-se em dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), o especialista lembra que mais de 55 enfermidades podem ser transmitidas dos ratos para seres humanos. As mais comuns são leptospirose, tifo, salmonelose, hantavirose e a febre da mordida do rato, ou febre da mordedura do rato.

Esta última é uma infecção ocasionada por bactérias transmitidas por ratos. Ao contrário do que o nome sugere, a transmissão não se dá somente pela mordida. Outra forma comum de contrair a doença é a ingestão de alimentos contaminados com a saliva destes animais. O agente causador da doença é a bactéria Streptobacillus moniliformis, encontrada na cavidade oral e na garganta de ratos.

Por sua vez, a leptospirose é uma infecção provocada por uma bactéria presente na urina dos ratos, que causa febre, dores e hemorragias. No Brasil a doença infecta milhares de pessoas todo ano e é um dos maiores riscos decorrentes de enchentes.

Tomando alguns cuidados, dá para diminuir consideravelmente os riscos de contaminação por doenças transmitidas por ratos. Quando um alimento industrializado contiver no interior de sua embalagem algo estranho, o melhor é evitar seu consumo e procurar um médico ou agente sanitário.

O lado de fora das embalagens também pode representar riscos. Ao chegar do supermercado com as compras, é prudente lavar as embalagens de alimentos antes de colocá-las na despensa. Tome cuidado especial com as latas de bebidas, especialmente refrigerantes e cervejas. “Assim como outras embalagens, elas podem ter sido contaminadas durante a armazenagem e conter microorganismos maléficos. Todo cuidado é pouco, pois muita gente leva as latinhas diretamente à boca”, diz Dr. Bactéria.

Além de água e sabão, as embalagens devem ser higienizadas com uma solução de água sanitária e água – na proporção de uma colher de sopa de água sanitária para cada litro de água.