ortorexia dentro 1006

O programa “Meu Prato Saudável”, parceria do Instituto do Coração (InCor) e do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP com a LatinMed Editora em Saúde, decidiu fazer um alerta à população sobre a ortorexia, transtorno psiquiátrico que decorre da obsessão em relação à alimentação.

Segundo a médica Elisabete Almeida, diretora-executiva do programa, o distúrbio surge quando a pessoa passa a ser excessivamente preocupada com o que come no dia a dia, adotando hábitos de alimentação radicais como, por exemplo, conferir um a um os nutrientes e calorias de cada alimento, deixar de comer fora de casa e preferir exclusivamente os alimentos ditos “naturais”.

Segundo ela, alguns fatores que podem desencadear este distúrbio são modismos alimentares, o culto ao corpo e a excessiva publicidade de produtos supostamente saudáveis ou enriquecidos. “Os ortoréxicos costumam levar estas tendências a níveis extremos”, diz Elisabete.

A médica alerta que, assim como tudo na vida, é preciso evitar excessos, mesmo quando se trata de saúde. “Se virar obsessão, certamente será mais prejudicial do que benéfico”.

A não ser que haja alguma restrição nutricional específica, diz a diretora do “Meu Prato Saudável”, não há alimento proibido. E comer de forma saudável deve ser um hábito natural, de preferência adquirido desde a infância.

A metodologia do “Meu Prato saudável” ensina: preencha metade do prato com verduras e legumes (crus e cozidos) e a outra metade, divida em carboidratos (arroz, massas, batata, mandioca ou farinhas) e proteínas (animal e vegetal). “Preocupar-se com a alimentação saudável é diferente de ser ortoréxico. A diferença está no grau de preocupação com o alimento ingerido e na restrição de nutrientes que são essenciais ao organismo”, conclui Elisabete.