Como são seus amigos? Engraçados, dormem pouco, praticam atividades físicas? A Revista “Mente e Cérebro” deste mês traz, na matéria de capa, um estudo que mostra que o bem-estar alheio tem profundo impacto na satisfação das pessoas, e o mais curioso: esta “transmissão emocional” pode ocorrer até pelas redes sociais.

Segundo a matéria, tanto a felicidade como comportamentos que fazem mal à saúde, como irritação e constantes lamentações, são como um surto de gripe, sendo transmissível e “contaminando” pessoas de até “três graus de separação”. O fato do amigo de um amigo seu ser uma pessoa alegre, bem-humorada e satisfeita com a própria vida, aumenta em cerca de 6% as chances de que você seja uma pessoa feliz.

Portanto, além de ter cuidado na escolha dos grupos com os quais se convive, também é importante lembrar que cada um é, de alguma forma, responsável pelo bem-estar dos com quem se mora, trabalha ou estuda.

Nos últimos tempos, pesquisadores buscam dados através dos meios virtuais. O professor assistente de sociologia econômica, Damon Centola, da Sloan School of Management do MIT, conduziu uma pesquisa com mais de 1.500 pessoas, no qual foi criado um fórum na web, com acesso a informações sobre saúde. Um grupo foi estruturado como um bairro residencial e o outro, sem nenhum vínculo. Conclusão: os participantes/vizinhos virtuais se mostraram mais dispostos a aderir aos debates e oferecer contribuições, pois viam seus “vizinhos” participando. Já o grupo da rede informal, não teve o mesmo desenvolvimento. (GO)