A segunda rola chuvosa e, naturalmente, fico mais introspectivo. Almocei no Dom Bistrô, encontrei lá, Fernando Leone, Nelson Rodrigues Junior, Arraes e Felipe Martins e rolou, é claro, uma prosa descontraída, do tipo que desopila o fígado. Fui dar um beijo na Dani Maksud, no Espaço Laerte Biagioli, que me contou que vai a festa com Eduardo, fica na mesa de Georgia Barros Andari e lhe disse que será muito bem recebida. Aliás, todos aqueles que forem me cumprimentar pelos 43 anos de trabalho serão recebidos com  tapete vermelho, um imagem simbólica para  destacar a importância dos convidados. Este ano produzo a festa na base da adesão, sem patrocinadores, usando e abusando do jogo da sedução, me considero um bom sedutor de amigos, e tenho boas histórias para compartilhar. Com centenas de festas no currículo. Nesse quesito, modéstia a parte, me considero um PhD. Em sociedade há amigos mais molinhos e outros, alguns, mais duros…rs… que só capitulam mesmo ao meu convite após muita insistência…rs… E tenho sempre bons argumentos.  Das pessoas que gosto  não desisto fácil. As que vão estar comigo na próxima sexta-feira no salão do Clube de Campo comprovarão isso. Os anos passam e a alegria de viver e conviver em sociedade se renova. Estar entre amigos celebrando o trabalho é o meu melhor presente. São momentos sempre bem-vindos. É o que tem me incentivado a continuar fazendo o que faço, com a maior satisfação. Observar a vida em sociedade e dela compartilhar momentos relevantes.  Quando subir ao palco para os agradecimentos vou, naturalmente, passear os olhos pelas mesas e falar para os seus ocupantes, o que o meu coração sente, respaldado em histórias vividas e por mim registradas. Tenho respaldo para isso. Adianto, será uma noite temperada a muita emoção. Quem for, verá.  Celebrando a joie de vivre.