E não é que o frio realmente chegou…rs…e é bem vindo. Afinal de contas estamos no inverno e é a temperatura que tem que reinar, por quanto tempo, só Deus sabe. Mas, pelo menos podemos mudar um pouco os nossos hábitos, tirar do armário os casacos, as roupas que aquecem, comprar peças novas, com objetivo de nos proteger e, sem dúvida, ficarmos mais elegantes. E traçar uma comidinha mais quente, receitas com mais caldos. Quando jovem eu gostava mais do inverno, agora que estou mais pra lá do que pra cá…rs…aprecio o meio termo…rs…ou seja, o outono, que este ano rolou quente. É a minha estação preferida.  Moro em uma chácara e percebo que a falta de chuva dos últimos dois meses deixa tudo seco e até a mina mia…rs… Torcendo por chuva…rs… No meio do mato então faz mais frio e tenho lareira, que, ontem, voltei a acender e aqueço a casa. Conforto em primeiro lugar, sempre. Hoje, quarta, véspera do dia verdadeiro do meu aniversário, 12 de julho, desde que me tornei colunista social o comemoro em junho, este ano a festa rolou no Paradise Golf, confesso, estou com a emoção a flor da pele. Já passei pelo inferno astral, na semana passada, e hoje me sinto bem, física e energeticamente, pronto para celebrar comigo mesmo…rs…com muita Luz mais um ano de vida. Agradecendo a Deus pelas oportunidades que surgem e me fazem seguir adiante, renovado, me realizando profissionalmente. Não há melhor presente que esse. Sempre energizado pelos amigos que se manifestam carinhosamente através das Redes Sociais. Não programei nada para esta quinta. Só sei que na sexta-feira estico a São Paulo para cumprimentar a amiga, Claudia Metne pelo seu aniversário e estou sabendo que vou ganhar uma velinha no seu bolo…rs…Carinho nunca é demais. Eu adoro. Aliás, gosto  de acarinhar as pessoas que fazem diferença em minha vida, através do trabalho que realizo, registrando momentos especiais em suas vidas. O Caderno W tem sido a minha vitrine. Espero que continue ainda por muitos anos formando opinião. Concluindo, para falar a verdade, ao redigir esse texto, fiquei com os olhos marejados, lembrando de meus queridos pais, Herbene e Raimundo que se foram para o andar de cima há 8 anos. Fazer o que? Enxugar as lagrimas  e tocar o barco com a consciência de que a vida continua e o tempo em que estivemos juntos foi muito bom. E foi. Constato, que a dor da perda com o passar do tempo se transforma em uma saudade gostosa. Um dia, com certeza, vamos nos encontrar. Eu creio. Procurando um registro no arquivo para ilustrar esse texto, e encontro este, onde apareço ao lado do Maurício Mello comemorando os seus 51 anos e ele os 41 anos. Só faz 17 anos. Aproveito e o cumprimento pelos 58 anos. Os bons momentos fazem a diferença em nossas vidas. A foto comprova. Recordar é viver.