O carnaval se  aproxima e me pego tranquilo no quesito  que se refere a folia. Fui um bom folião na juventude, curti muito carnaval,  e agora na evelhescência…rs…  quero mais é sossego. É normal. Seria anormal o contrário…rs… há anos não viajo mais nessa época. Prefiro ficar in home.  Pelo fato de morar no campo aproveito para curtir mais a minha casa, a piscina, convido amigos, que é o meu templo, onde restauro as energias e, moderno como sou…rs… dou me ao luxo de transformá-lo em home office, de onde compartilho no Caderno W, há alguns anos,  as impressões do cotidiano e, diga-se de passagem, com a maior satisfação. Quando se ama o que faz, trabalho se transforma em  terapia. É o meu caso. Por estar conectado a Internet, via satélite, o trabalho, acredite se quiser, é quase que full time. Só não estou com o celular em mãos, postando no Insta e Face, ou  sentado ao laptop renovando o conteúdo do Caderno W, quando estou dormindo…rs…Com a consciência de que a vida vale a pena ser vivida, desfrutada, e compartilhada, que, aliás, tem sido o meu papel de colunista social, nos dias de hoje, uma raridade, desde 29 de novembro de 1975. Celebrando a vida. Celebrando a alegria de viver e conviver em sociedade, procurando me tornar uma pessoa um pouco melhor, a cada dia que passa. Digo aos amigos que já não faço mais aniversário só para ficar mais velho…rs… com o advento da maturidade o aprendizado é o maior ganho.  E assim evoluo do jeito que gosto, plantei um trabalho que começa a dar bons frutos, um deles,  o reconhecimento, livre, leve e solto.