A escuridão é uma das  coisas que nos dão medo. Traz consigo o desconhecido e o indefinível. Quando acordamos de um pesadelo no meio da noite, estamos no escuro. Podemos ficar lá, paralisados pelo medo, e não fazer nada além de maldizer a situação. Ou podemos acender um abajur e nos livramos do terror….rs…

Constato que os problemas do cotidiano nos afetam da mesma forma que a escuridão. Quando os encaramos ficamos com medo de nos movermos e, em vez de tomar alguma iniciativa, começamos a amaldiçoar  a situação.

Podemos ganhar alguma coisa amaldiçoando a escuridão? Se comportando dessa maneira, nada muda. A escuridão continua lá, nem um pouco abalada pela nossa explosão…rs… Mas alguma coisa mudou, e foi a  percepção da escuridão. Percebemos que há um problema. E em certo grau, é essencial. Afinal, não podemos solucionar um problema até que o reconheçamos.

Precisamos enfrentar os fatos. Um problema não é resolvido só com lamentações. Enquanto não nos esforçarmos para resolver os problemas, eles não irão embora. Por menor que seja o esforço, mesmo que não dê certo, já é um passo no sentido de sair da escuridão. Buscando uma solução, encontramos outras melhores. Podem reconhecer os nossos esforços e fracassos, e tentar nos ajudar. Em geral, quando adotamos a atitude de que o problema pode ser solucionado, a escuridão se torna menos aterradora e  mais suportável. A ponto de se dizer que a situação não é um problema e, sim, um desafio.

Portanto, de nada adianta maldizer a escuridão. Esta atitude só aumenta o problema. Afasta as pessoas que podem ter o poder de nos auxiliar. E elas sempre existem. As vezes estão tão próximas e não as percebemos.  Só poderemos resolver um problema, e todos os temos, diariamente, se tentarmos fazer algo para solucioná-lo.

E concluo a reflexão matinal de quarta-feira com essa frase:  É melhor acender uma simples vela do que maldizer a escuridão.