sal dentro 1712

Muito tem se falado sobre o perigo do sal na alimentação dos brasileiros. O maior problema não está no momento do preparo da comida ou quando colocamos uma pitada de sal na salada, por exemplo, e sim o contido nos alimentos embutidos e enlatados, que estão cada vez mais presentes.

O consumo excessivo de sal contribui para o aumento do risco de desenvolvimento de doenças graves do coração. Dados da OMS, em 2001, apontam que tais enfermidades foram responsáveis por 60% do total das 56,5 milhões de mortes notificadas no mundo. No Brasil, o quadro não é menos grave. A Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílio (PNAD), realizada em 2008, apontou que 14% da população sofria de hipertensão.

Mas por onde começar? Rafaela Isis Reis Allevato, nutricionista do Hospital San Paolo, dá algumas dicas: (GO)

– primeiramente não levar o saleiro, nem aqueles sachês, para as refeições

– comece a prestar atenção nos rótulos, leia todas aquelas informações que estão na parte de trás das embalagens. Se a quantidade de sódio do alimento for maior que 400 mg (para cada 100 g de alimento), ele é considerado rico em sódio e, portanto, não deve ser consumido

– evite o uso de industrializados como caldo de carne e glutamato de sódio, para dar sabor aos alimentos. Substitua-os por ervas frescas ou desidratadas

– por fim, uma dica muito importante é sempre ingerir muita água mineral, porque ela ajuda a filtrar este mineral