Acordo no domingo fazendo o que mais gosto neste dia, abrindo as janelas da casa, o sol aparece, e me comprazo observando o vôo dos pássaros pelas árvores e, é claro, ouvindo prazerosamente os seus gorjeios, um música muito boa para os ouvidos, a natureza que me cerca, sem dúvida, é a minha melhor terapia. Adoro morar no meio do mato. Aliás, quem despertou esse gosto foi o amigo, Newton Marcos Gasparini, em 1987, quando fui morar na estrada da Pedreira, numa das quatro casas, ele morava em uma, que pertencia a família Burke, passando pela Vila da Prata, e lá permaneci até maio de 1997 quando me mudei para a Shalon, onde já estou há mais de 20 anos, do outro lado da cidade. O tempo realmente, não passa. E quando vai se ficando mais velho, o que é inexorável, ele não é mais desperdiçado com bobagens. Pelo menos eu tenho me comportado desta maneira depois que cheguei aos 60 e agora que os 70 se aproxima, estou ainda mais seletivo, empreendendo novos desafios que tem sido o que me mantém em boa forma mental, consciente de que o meu trabalho é uma missão e está sendo cumprido da melhor maneira, não para agradar ninguém, para me agradar e assim evoluir feliz com a consciência de que tudo passa e que o momento presente, é o presente. No ano passado, realizei “sozinho” a Feijoada do Willy 2017 e de lá para cá percebo o quanto as mudanças, mesmo as mais bruscas, são importantes em minha evolução. Nunca tive medo de mudanças e, creio, que até o último dia de minha vida, estarei mudando, até a definitiva para o andar de cima…rs… E a Feijoada do Willy 2018, como não poderia deixar de ser, está sendo produzida com mais profissionalismo, com o apoio da Dotstore/Boigy, que cuida do marketing, confesso, estou menos estressado e mais confiante de que tudo ocorre no momento certo. A XP Investimentos apresenta a edição deste ano e até o final desta semana, creio que já tenho em mãos todas as marcas que vão somar comigo nessa empreitada de sucesso, que serão vidamente compartilhadas no hotsite que Felipe Martins  cria para o portal do Caderno W e o Caderno W impresso, mensal, até a edição de maio. A camiseta fica pronta dois meses antes da realização do evento que este ano ganha um cuidado ainda mais especial por parte de Valdir Stilhano que está entusiasmado com o projeto que alinhavo com o maior carinho. Com tanto carinho que busco em meu arquivo fotos das feijoadas anteriores e encontrei, esta, na primeira feijoada realizada no Club Vila Santista, em 1996, para celebrar o 4º aniversário de meu programa na Rádio Diário, Bastidores.   No foco, Georgia e Tunico Andari, amigos, como se pode notar, de long time. Passaram-se 22 anos e continuo realizando a Feijoada do Willy 2018, sou persistente também, com a maior satisfação. Reinventando-me sempre. Plantei um trabalho, incansável, transpus obstáculos, muitos, sempre honestamente,  o universo tem conspirado a meu favor e os frutos surgem espontaneamente comprovando que se colhe realmente o que se planta. Olhando para trás só tenho a agradecer, pelo simples fato de estar vivo, com saúde, trabalhando, fazendo o que mais gosto, portanto, feliz. E viva a vida. E nessa vibe desejo a todos um domingo maravilhoso.