Ao longo de quase 43 anos de trabalho, como colunista social, costumo dizer que sou um sobrevivente…rs…é uma categoria em extinção…rs… Trago dos tempos glamourosos,  dos Anos 70 e 80, forjado pelo exercício, o talento para compor legendas especiais, nunca quis ser fotógrafo, mas adoro observar uma foto e dela extrair a sua melhor essência registrando com palavras pertinentes que conferem prestígio a quem as recebe. Oriundas da alma. Com emoção.  E me sinto prestigiado. Nesta quinta-feira troquei palavras com a amiga, Patrícia Naves, pelo Instagram, e aproveitei para convidá-la para a Feijoada do Willy 2018. Confirmou presença. Lembrei da Feijoada de 2000, quando lancei o site willyvirtual, Patrícia estava gravidíssima, e alguns dias depois nasceu o caçula, Maurício. Aproveitei o contato e a convidei para ir jantar no Djapa, em Moema, onde pontifica o amigo, José Miguel, empresário de sucesso na área. Ela e Mauro Naves, é claro. Conheci o Mauro bem antes de Patrícia. É um querido. E quando a conheci, ficamos naturalmente amigos. Foram capa do Caderno W, estiveram na festa dos meus 24 anos de colunismo, em que o saudoso, Governador Mario Covas prestigiou, em 1999, e estarmos juntos de vez em quando renova a  amizade. Na Feijoada, Mauro provavelmente não estará por aqui, porque a Globo o requisita para a Copa do Mundo, na Rússia. É uma pena, fica para a do próximo ano. Em dezembro do ano passado, fui assistir ao espetáculo Gandhi, onde Patrícia brilha, e na saída tive a satisfação de posar para a foto em companhia desse casal que eu gosto. E, sem falsa modéstia…rs… estamos, os três, muito bem na fita…rs…É foto digna de  porta-retrato. Chic. Eleva a auto estima.