Nesta quinta, no final da tarde, tive a satisfação de tomar um café e modular uma boa prosa com o Secretário Municipal da Cultura de Mogi das Cruzes, Mateus Sartori, na Padoca da Beth, que, aliás, tenho frequentado, marcando lá reuniões com amigos e parceiros. Hoje, me reuni com a Maria, editora da Revista Leve, e combinamos que vou rechear as 4 páginas da edição de setembro, com fotos de pessoas que não passam despercebidas pelo trabalho que realizam, e em clima de aniversário da cidade. Conheço Mateus há muitos anos, bem antes de se tornar secretário da Cultura na administração de Marco Bertaiolli, e continua como tal, com a maior competência, tem um senhor curriculum, e dedicação, na administração de Marcus Melo. É um grande artista, músico notável, sensível, um homem bonito, por fora e por dentro, inteligente, bom de conversa. Um quarentão enxuto. Compartilhei a  história de meu livro, “Tô Lembrando”, que se materializa e merece ganhar uma importância ainda maior, pelo fato de eu registrar há mais de 4 décadas, os momentos mais relevantes da história de Mogi das Cruzes, com bom gosto e elegância, itens esses que foram burilados nos últimos anos pela civilidade. Pedi a sua opinião a respeito do livro e o que ouvi me incentiva a continuar sonhando com a obra, que passo a passo se materializa, para ser lançada em grande estilo, em novembro de 2020, quando completo 45 anos de trabalho, observando e registrando os momentos mais relevantes, e os 70 de idade. Dois momentos que serão celebrados em grande estilo. Eu mereço. Mateus me confidenciou que está retornando aos poucos à cena musical, mais maduro, com apresentações que lhe dão satisfação. A próxima ocorrerá no Casarão do Chá. Adorei a sua companhia, e combinamos de nos ver novamente. E, como não poderia deixar de ser, fiz questão do registro desse nosso agradável encontro, feito por Daniel Messias.