Um amigo é um presente que nos damos, uma outra parte de nós, um reflexo no espelho. A amizade não apenas nos envolve como também emana de nós. A atraente força da amizade mora dentro das atitudes das pessoas. O que faz um amigo? Como age um amigo? O que o amigo exige do outro? As respostas a todas a estas perguntas giram em torno da palavra “amor”. Um amigo simplesmente ama.

Ao definir o amor em sua carta aos Coríntios, São Paulo enumerou os atributos de um verdadeiro amigo: “ O amor é sempre paciente; nunca é ciumento; nunca é ruidoso nem preconceituoso; nunca é rude nem egoísta; nunca se ofende nem se ressente. O amor não se compraz com os defeitos dos outros, mas se regozija na verdade; está sempre pronto para perdoar, a confiar, a ter esperança e a resistir a tudo o que ocorre” (1 Cor. 13:4-7).

Transmitir amor a alguém significa alcança dentro de nós o mesmo amor que desejamos receber através do reflexo do outro. Quando gostamos e somos amigos de nós mesmos, somos capazes de atrair amizades. Na qualidade de melhores amigos de nós mesmos, dispomos desse dom para dar a alguém.

Ao emergir para envolver outro ser humano, uma amizade saudável se transforma numa via de mão dupla, capaz de tolerar até algum eventual retorno, em caso de divergências de opinião. Assim como os relacionamentos, nenhuma estrada é completamente plana. Tem os seus obstáculos. Entretanto, mesmo nas diferenças, os verdadeiros amigos jamais demandam de nós mais do que exigiriam de si mesmos, e nem nos conduzem  por caminhos prejudiciais. Um amigo nos trata da melhor maneira possível, sem tentar nos controlar. Somos tratados da mesma maneira que queremos tratar a nós mesmos.

Os amigos compartilham dos melhores interesses de cada um. Os amigos buscam coexistir, eu que o diga, complementar-se e evoluir, em direção a um bem mútuo, cada vez maior. Um exemplo de tal amizade foi o relacionamento entre Ruth Eisenberg e Margareth Patrick, pianistas, já falecidas, que atuaram no Canadá e Estados Unidos. Devido ao efeito das notas sobre as teclas, uma delas tocava piano com a mão direita e a outra com a mão esquerda. Juntas, produziam a harmoniosa música amada por ambas, pois cada uma delas se dispunha a compartilhar com a outra aquilo que tinha de melhor.

A amizade começa quando aprendemos a ser nosso melhor amigo. Uma vez solidificada essa auto-amizade, adquirimos a capacidade para oferecer a outra pessoa o maravilhoso dom da amizade. Como disse, Ralph Waldo Emerson, “ A única maneira de ter um amigo é sendo um amigo”.