Acordo na sexta, dia 4 de janeiro de 2019, preparado emocionalmente para finalizar mais uma edição impressa do Caderno W…rs…Amo o que faço e cada vez mais só faço o que me dá satisfação, pessoal e profissionalmente. A maturidade me traz a seletividade. Não se agrada todos. Gosto de observar a vida em sociedade e dela extrair boas histórias para compartilhar com o público que me acompanha. E tenho feito isso com alegria, com a consciência de que cumpro um missão e ela precisa ser cumprida em grande estilo, extraindo do cotidiano histórias que acrescentam positividade às nossas vidas. Em 2019, que está apenas começando, se percebe que há uma energia positiva no ar com a posse de Jair Messias Bolsonaro como presidente do Brasil e, confesso, me deixo contagiar por ela e a esperança retorna aos meus projetos, que dependem do meu trabalho, do meu empenho para se materializar.

Como não poderia deixar de ser, ligo a tevê,  fico entra a Globo News, que está a cada dia que passa mais chata, se apegando a detalhes, quer achar defeitos e acha,  esquecendo do todo, e a Bandeirantes. Chega uma hora que não aguento tantas considerações que simplesmente mudo para o canal de música. Não perco mais o meu precioso tempo. E ouvindo o que me dá boa inspiração, crio os textos que tenho compartilhado e que, vamos e venhamos, é o meu diferencial. Nesta sexta ouço sucessos da disco music, que me fazem retornar ao final dos Anos 70. Bons tempos. Tenho saudade dessa época. Estava iniciando como colunista social. O tempo não passa, voa. E o lado positivo de tudo isso é que posso me dar ao luxo de compartilhar momentos relevantes em minha carreira, revelando a história de uma sociedade da qual sou o expectador há mais de 43 anos.

Inicio oficialmente em 2019 a edição do meu livro de memórias, se assim posso chamar…rs… para qual  já tenho até título, “ Tô Lembrando”, sugestão do professor Mario Sergio. E pretendo lança-lo em novembro do próximo ano quando comemoro os meus 45 anos de colunismo social e os  70 anos de vida. Duas datas relevantes. Trabalho é que não vai faltar. Como estou bem mais disciplinado creio que  vou tirar de letra…rs… Quando se gosta do que faz, trabalho se transforma em terapia.

E nessa vibe, de plena positividade, busco no arquivo uma foto para ilustrar esse texto e encontrei esta, que já publiquei, onde apareço em companhia de Nádia Condo, em sua bela loja Nadia Conceito, celebrando as conquistas de 2018, que continuam em 2019. Nádia é uma amiga e parceira nota 10. Quem acompanha o meu trabalho sabe disso. E trocamos boas figurinhas.

Com Nádia Luri Condo, na Nadia Conceito, melhor no espaço masculino, que oferece o que há de melhor em moda masculina