Patricia Mayumi Nakashima. Casada com Eduardo Kendi Nakashima, ela é mãe de Lais e Guilherme.

Vamos conhecer um pouco mais sobre essa mulher incrível, trabalhadora e sempre de bem com a vida?

 

Caderno W: Patricia, onde você estudou? Qual é a sua formação?  

Patricia: Estudei sempre em Mogi, no Washington Luís, no Colégio Santa Mônica e fiz Nutrição na Universidade de Mogi das Cruzes (UMC).

 

Momento em família: com o marido e os filhos

 

Caderno W: Fale sobre a Farmácia Santa Terezinha, quando e como surgiu? Como é o seu dia a dia à frente da farmácia?

Patricia: A farmácia surgiu no dia 20 de maio de 1930. No ano que vem vamos completar 90 anos de atuação no mercado. No início era de propriedade do senhor Acacio Cruz, época em que o meu pai, Alvaro Nakamura, começou a trabalhar, ainda adolescente. Depois ele se tornou o proprietário da farmácia. A minha irmã, Priscila, é a farmacêutica responsável. O meu dia a dia é uma rotina em que tenho vários contatos com o público, pois fico na parte de compras, RH e também trabalho diretamente com as colaboradoras que fazem tanto o atendimento direto via balcão, como também os atendimentos por outros canais.

 

Caderno W: Qual é o diferencial da farmácia de manipulação em relação às outras? Quais são os tipos de serviços que ela oferece? 

Patricia: Quando um médico prescreve uma fórmula manipulada, o paciente passa, automaticamente, a receber uma atenção diferenciada, pois seu medicamento será único, produzido na dose e na quantidade necessária para o tratamento. Além do componente direcionado de maneira específica, o formato é personalizado, já que é possível escolher entre cápsulas, pastilha, gel, pomada, dentre outros, conforme a necessidade, ou o que seja mais confortável para o paciente.

 

Caderno W: Fale sobre o crescimento desse tipo de negócio. A que se deve?
Patricia: A manipulação de medicamentos é uma tendência de mercado, e, apesar da crise, o mercado brasileiro tem crescido em média 2,2% ao ano. Acredito eu que a facilidade em administrar mais de uma substância em uma mesma cápsula e o maior leque de dosagens para o médico chegar em um tratamento mais personalizado com eficiência é o que tem impulsionado o mercado.

 

 

Caderno W: Fez muitas amizades por causa da farmácia? Muitos amigos se tornaram clientes?

Patricia: Sim, tenho muitos amigos que vieram daqui da farmácia e que se tornaram amigos do coração mesmo! E vários amigos, que hoje são clientes fieis.

 

Caderno W: Os negócios são a marca da família, não é mesmo? Além da farmácia, vocês têm uma bicicletaria. Fale sobre ela:

Patricia: Sim, na verdade temos muito orgulho em termos na família dois comércios tradicionais e ambos reconhecidos pela população. A loja Nakashima é um comércio tradicional no ramo de bicicletas, peças e manutenção, fundada em 1953. Hoje, é o meu marido que comanda a loja, representando a terceira geração. Com a evolução acelerada e novas tecnologias, é preciso
estar atento às transformações do processo da modernidade das bicicletas, preservando o
atendimento e a essência de lidar com os clientes e amigos. Esse é o segredo do sucesso para o sistema da fidelização.

 

 

Caderno W: O que gosta de fazer quando está de folga?

Patricia: Amo viajar, para mim é o melhor investimento. Aos fins de semana também gosto muito de ir para a praia. E no meu dia a dia, à noite, estou sempre na academia do Clube de Campo de Mogi das Cruzes (CCMC), onde me exercito e também tenho encontro com amigas. A gente se diverte muito lá.

Caderno W: Como mantém a saúde em dia? Que tipos de cuidados têm… 

Patricia: Mantenho a minha saúde frequentando academia, fazendo caminhadas, tento
ter uma alimentação saudável e usar medicamentos manipulados (risos)

Caderno W: Qual é o seu hobby? Tem uma frase de incentivo? Quem a inspira?

Patricia: Meu hobby é dançar. Já a minha frase é: ‘Se importe menos, viva mais’. E a minha inspiração: o meu pai, que com 84 anos ainda trabalha na farmácia em horário integral com
disposição e muita lucidez.

 

 

 

Caderno W: Qual foi a maior alegria da sua
vida? 

Patricia: Sem dúvida alguma o nascimento dos meus filhos, Lais e Guilherme.

 

Caderno W: Viver em Mogi é…

Patricia: Muito prazeroso, pois é a cidade onde nasci, vivi a minha adolescência, namorei, casei e tive meus filhos. Enfim, Mogi faz parte da minha vida!

 

Caderno W: O melhor de Mogi é…

Patricia: Andar pelas ruas antigas do centro e encontrar com muitas pessoas queridas.