ceu-e-inferno-ensinamento-zen-carlos-handhu-imagem-blog
Conta uma história que um samurai estava repousando debaixo de uma árvore quando passou um monge budista. Ele não acreditava em nenhuma tradição espiritual. Era um homem duro e seco. Quantas vezes desembainhara sua espada? Quantos corpos havia mutilado? Quantos por usa lâmina haviam morrido? Já perdera a conta. Ao ver o monge, chamou-o e o interpelou? “Essa história de céu e inferno que vocês, budistas, contam é pura mentira. Onde fica esse céu, essa terra pura? E onde está o inferno?”

O monge o escutou atentamente e, em seguida, respondeu: “Você é um samurai muito burro e lento. Sua espada não serve para coisa alguma”. Furioso, o samurai se levantou e começou a desembainhar a espada: “Como ousa falar assim comigo?”. O monge disse, sorrindo: “Isso é o inferno”. O samurai parou e, em vez de tirar a espada da bainha, colocou-a mais para dentro. “Isso é o céu”, disse o monge. E continuou sua caminhada.

 

ceu-e-inferno-ensinamento-zen-carlos-handhu-blog

 

Há também uma analogia muito corrente no budismo. Dizem que, tanto no céu como no inferno, as pessoas estão sentadas diante de uma imensa mesa com um banquete muito saboroso pronto para ser desfrutado. Tanto no céu como no inferno, elas estão amarradas às cadeiras e têm as mãos atadas a grande conchas e colheres.

No inferno, tentam desesperadamente se alimentar. Os cotovelos não se dobram. Enchem as conchas e colheres com os alimentos mais deliciosos, mas não conseguem levá-los até a boca. Sofrem, ficam magras, famintas, aflitas.

No céu, a mesma mesa, os mesmo quitutes, as mesmas colheres e conchas amarradas às mãos, os cotovelos duros. Entretanto, todos sorriem e estão felizes. As conchas e colheres chegam perfeitamente até a boca da pessoa que está sentada à frente. Assim, alimentando uns aos outros, estão tranquilos e alegres.

Não é assim com a nossa vida? Quando somos pessoas egoístas, quando pensamos em nós em primeiro lugar, perdemos. Quando saímos do eu menor e adentramos o Eu Maior, pensando no bem de todos em primeiro lugar, ganhamos. É sempre assim.

 

Base: A Sabedoria da Transformação, de Monja Coen, Academia
3