O país concentra destinos charmosos e que atraem desde intercambistas até casais apaixonados em lua de mel.

Entre eles, vilarejos erguidos durante a Idade Média, em pontos estratégicos – no cume de montes, de onde se tem uma visão panorâmica da região (e dos inimigos que poderiam se aproximar).

A Idade Média surgiu na Itália no ano 476 d.C., com a queda do Império Romano e a ascenção do feudalismo e da Igreja Católica. E isso se refletiu em uma transformação dos cenários do país.

15 pequenas vilas medievais que, com suas ruínas, construções e rodeadas por paisagens bucólicas, sobreviveram ao tempo e hoje funcionam como museus a céu aberto.

Veja as fotos, faça a sua programação de viagens históricas e permita-se mergulhar neste obscuro tempo de servos, vassalos, reis, castelos e, claro, guerras.

1. Pacentro, Abruzzo, Áquila

Pouco mais de 1200 pessoas habitam esse minúsculo vilarejo no centro da Itália. Apesar de pequena, Pacentro impacta qualquer indivíduo que suba os seus 650 metros de altura para observar a Cordilheira dos Apeninos. A cidade se ergueu entre os séculos 9 e 10. Por aqui, visite as muralhas e os pontos que marcaram a história do lugar, como o Castelo e a Igreja de São Marco e a Praça Popolo

2. Montalcino, Siena

Se você associou o nome da vila a vinhos italianos, acertou! É aqui que se localiza uma parte significativa de vinícolas que produzem rótulos de excelente qualidade e que são renomados no mundo inteiro: o famoso Brunelo di Montalcino, produzido com uvas de cepas escuras e com grande poder de guarda. Para além dos vinhos, a história da vila é marcada por guerras, visto que ela foi um dos lugares mais afetados pelos intensos conflitos da Idade Média

3. Cortona, Arezzo

Nas proximidades de Florença, esse lugar pequeno e charmoso da região da Toscana fica no alto de um morro de 600 metros de altura e possui uma visão privilegiada dos vales. Construída pelos etruscos, a vila foi dominada pelos romanos no ano de 310 d.C. Boa parte das construções, cercada por ruas de pedra, econtra-se em perfeito estado de conservação. Um ponto forte é o comércio: há lojinhas interessantes que valem uma pausa pra compras depois da visita a igrejas renascentistas e museus. Foi aqui que parte do filme Sob O Sol da Toscana foi gravado

4. Dozza, Bolonha

A vila tem pouco mais de 5 mil habitantes e uma área de 24 km². Boa parte das construções históricas estão repletas de pinturas e grafites modernos, o que deixa o vilarejo com o aspecto de galeria de arte a céu aberto. Isso tudo é resultado da Bienal do Muro Pintado, que ocorre na cidade desde 1965. Durante o evento, artistas
italianos encontram-se para colorir as ruas, muros e fachadas de Dozza.

5. Montepulciano, Siena

Erguida no cume de uma das colinas mais altas da Toscana, Montepulciano é um conjunto de pequenas e irregulares vielas, grandes muralhas e fortalezas imponentes. Com pouco mais de 14 mil habitantes, ela oferece uma visão privilegiada da região a seus moradores e visitantes, que também podem visitar belas igrejas renascentistas. Durante a Idade Média, a vila desenvolveu uma economia forte e muitas riquezas que quase a tornaram uma comuna autônoma. Seus cenários, aparentemente intimidadores, serviram como pano de fundo para as gravações de A Saga Crepúsculo: Lua Nova e da série de TV Os Bórgias.

6. Monteriggioni, Siena

Por ser compacta, a vila do século 13 é ideal para quem gosta de explorar a pé. Monteriggioni era um posto militar, e a fortaleza era usada para defender a região dos invasores. Não estranhe se as características de suas muralhas, erguidas com blocos de pedra, lhe remeter a algum episódio curioso da literatura. Afinal, Dante Alighieri cita as imponentes torres na obra A Divina Comédia. Ou seja: mais um bom motivo para visitá-la!

7. Lucca, Toscana

Situada na província homônima, a vila causa um forte impacto visual logo de cara: uma enorme muralha de 4 km de extensão, construída no século 16, percorre o seu entorno e impressiona com o seu perfeito estado de conservação. Pequenos restaurantes, praças graciosas e mercados estão na rota de viajantes que passam pelo seu interior, indo além das visões impressionantes que sua fortificação oferece. O centro histórico, aliás, pede para ser explorado com calma, preferencialmente a pé ou através das bicicletas disponíveis para locação

8. Volterra, Pisa

Com mais de 3 mil anos de história, a vila é considerada um dos lugares antigos mais bem conservados do mundo. Ruínas, festas medievais e lojinhas de alabastro também estão no caminho do turista

9. Brisighella, Ravena

Pouco mais de 8 mil pessoas vivem nessa pequena vila, cercada por colinas e uma fortaleza construída no século 13. Passear por suas ruas estreitas de paralelepípedo, com paredes e escadas esculpidas em pedra, é um convite para explorar muito mais do que Brisighella aparenta oferecer. Além da história, a fabricação de queijos, azeites e vinhos também estão entre os principais agentes impulsionadores do turismo local

10. Gradara

A localização privilegiada da vila, situada no topo de uma colina e cercada por vinhedos e plantações de oliveiras, lhe conferiram o apelido de “cidadela dos amores proibidos”. As lendas contadas no local, passadas de boca a boca, contam casos de intrigas e traições dignas de obras de Shakespeare, intensificadas pelo cenário de enormes muralhas. O Castelo de Gradara (foto), principal construção, é um dos mais bem preservados da Itália

11. Asolo, Vêneto

A comuna foi o lar de uma das mais célebres figuras femininas da história do país: Catarina Cornaro, a última rainha do Chipre, que atraiu artistas como pintores, escritores e músicos à região. O feminino, aliás, ganha força em Asolo, visto que a vila foi marcada como refúgio de mulheres independentes e revolucionárias, dentre elas a atriz Eleanora Duse, que escandalizou a sociedade com sua bissexualidade assumida e o romance com o poeta Gabrielle Dannunzio. Em seu interior, a cidadela reúne ladeiras, praças e mercados charmosos. Marcada como uma das principais regiões produtores de prosecco no país, Asolo é, também, um bom lugar para tomar vinhos

12. Orvieto, Umbria

 

Localizada a apenas 100 km de Roma, Orvieto descortina-se em uma paisagem repleta de vinícolas, campos e colinas. Para acessá-la, é preciso percorrer uma estradinha de carro. Entre as atrações, está o Poço de São Patrício (foto), construído durante o século 16 a mando do Papa Clemente VII. O acesso é um impulsionador da curiosidade humana, já que para visitá-lo e jogar uma moeda no poço é preciso descer uma escadaria com 248 degraus

13. Perugia, Umbria

A cidadezinha é repleta de becos estreitos, em que nem as barulhentas vespas conseguem passar. O que torna Perugia mais interessante é o seu festival de jazz, considerado um dos maiores do mundo e que já recebeu nomes como Diana Krall e John Legend. A história da cidade tem mais de 3 mil anos: foi erguida pelos estruscos antes de ser dominada pelos romanos. Além das lojinhas de chocolate, é possível visitar construções subterrâneas, da época dos etruscos

14. San Gimignano, Siena

Eis aqui uma das grandes joias da Toscana, com vistas privilegiadas para o Vale de Elsa. Localizada em um monte a 334 metros de altura, San Gimignano foi desenvolvida durante o século 10 e reserva um belo conjunto arquitetônico em seu centrinho, restaurado durante o século 19. Uma de suas atrações mais encantadoras é a Piazza della Cisterna, em formato triangular e cercada por casas e torres medievais. Outro ponto forte é o Duomo, uma igreja do século 12, repleta de obras de arte

15. Pienza, Siena

Casas antigas com fachadas decoradas por flores deixam essa vila da Toscana com um visual muito charmoso. Tombada como Patrimônio Cultural pela Unesco, Pienza tem construções renascentistas em seu centrinho, encomendadas pelo Papa Pio II em 1458. Pequenas escadarias conduzem a casas charmosas e lojas que comercializam queijos de qualidade

Roteiros a sua maneira e da família. Consulte WhatSapp  –  ligue: (11) 992925411 ou

e-mail: silvia_cassalichio@hotmail.com